08 junho 2008

"O Comportamento Operante" - Cap. 4 de "SOBRE O BEHAVIORISMO"


No capítulo anterior Skinner fala dos comportamentos inatos, enfatizando como eles foram aprendidos pela espécie, diferente dos comportamentos operantes, aprendidos pelo organismo. Agora é hora de falar dos comportamentos operantes em si. Esse tema, para alguns, foi a maior inovação do trabalho de Skinner, fazendo com ele a ruptura com o Behaviorismo Metodológico de Comte-Pavolv-Watson.



Cap. 4 - "O Comportamento Operante"

Trata-se, a grosso modo, do comportamento aprendido mediante reforçamento. O reforçamento é um efeito gerado pelas conseqüências das ações. Assim, quando algo é agradável o comportamento de fazer esse algo é reforçado, pois suas conseqüências foram positivas.

O organismo que emite comportamentos operantes está agindo para alterar de alguma forma o ambiente e assim obter reforço. Essa é sua principal diferença do comportamento respondente ou "por reflexo": o operante funciona pela fórmula

R -> S

que pode ser lida como "A Resposta altera o Ambiente"

Enquanto o comportamento reflexo funciona pela fórmula

S -> R


que significa "O Ambiente desencadeia uma Resposta"

Mediante essa distinção, Skinner comenta como os desejos, necessidades, expectativas, motivações e a liberdade podem ser explicadas mediante o comportamento operante.

A saber:

Expectativa é o que sentimos antes de um reforço chegar. Se sempre apertamos o interruptor e a luz acendeu, e uma vez apertamos e ela não acende dizemos que tivemos uma "expectativa frustrada".

Motivação diz respeito a natureza do reforço buscado. Assim se uma pessoa trabalha pela realização enquanto outra trabalha pelo dinheiro ambos estão se comportando de forma operante, porém o reforço (ou "motivação" ) é diferente nos dois casos.

Já liberdade é um fruto do reforçamento positivo. Quando fazemos o que gostamos e obtemos recompensa tendemos a dizer "Sou livre, faço o que gosto". Por exemplo, se escolhemos o sorvete de chocolate ao invés do de morango dizemos "Sou livre para escolher o de chocolate". Na verdade houve todo um passado de condicionamentos que determinou a probabilidade dessa escolha. Mas uma vez que a escolha foi feita e resultado foi gratificante tendemos a dizer que fomos "inteiramente livres" para escolher.

O problema dessa visão ingênua de liberdade (que diz "Eu sou livre porque nada me controla") é que ela exclui o histórico do sujeito: via de regra o passado e o presente nos influencia o tempo inteiro. Ser livre não é estar livre de controles: é poder controlar as situações que nos controlam.

11 comentários:

Mariana disse...

Olá! Faz um tempo que acompanho o seu blog. Hoje decidi registrar minha presença em comentário.

Sou psicóloga e ainda engatinhando como analista do comportamento. Você de de onde? Sp?

Tb tenho um blog, mas nada voltado para psicologia. É um blog de textos variados, de minha autoria.

Abraços.

Alessandro Vieira dos Reis disse...

oi, Mariana. Eu moro em Floripa-SC. Manda o link do seu blog pro meu email: alessandrovr@gmail

Anônimo disse...

Olá alessandro, tudo bom??
primeiramente gostaria de elogiar o ótimo conteúdo do blog.....tem tanta coisa que eu nem sei por onde começar, meus parabéns!!!
gostaria tirar uma dúvida.....
"REFLEXO INCONDICIONADO", É A MESMA COISA QUE "COMPORTAMENTO RESPONDENTE NÃO CONDICIONADO"??
outra dúvida....
"REFLEXO CONDICIONADO", É A MESMA COISA QUE "COMPORTAMENTO RESPONDENTE CONDICIONADO"??

sou iniciante no assunto ....mas em alguns livros que lí percebí que as vezes a mesma coisa é chamada por nomes diferentes tipo....condicionamento clássico, condicionamento pavloviano, condicionamento respondente (isso confundi um pouco)
Muito obrigado!!
seu blog é de grande valia para os iniciantes (e também para os experientes) em psicologia!! valeuu!!

Alessandro Vieira dos Reis disse...

respondendo a vc..

"REFLEXO INCONDICIONADO", É A MESMA COISA QUE "COMPORTAMENTO RESPONDENTE NÃO CONDICIONADO"??


Aham, sinonimos.


"REFLEXO CONDICIONADO", É A MESMA COISA QUE "COMPORTAMENTO RESPONDENTE CONDICIONADO"??

Sim, tbm.

O mais correto, do ponto de vista técnico, é chamar de comportamento respondente, e não reflexo (Pq esse segundo termo é mais comum em Pavlov e Watson, ao passo que o primeiro é o tratamento Skinneriano).

Anônimo disse...

Alessandro, MUITISSIMO OBRIGADO pela resposta!!
gosto muito da forma como vc trata os assuntos do blog, sempre de forma clara, divertida e elucidante,MAIS UMA VEZ OBRIGADO!!

Marcelino disse...

Ola Alessandro, quero parabenizar pelo seu blog. Sou estudante de Psicologia e estou começando aprender Behaviorismo.
Por favor preciso de alguns exemplos aplicados no nosso dia a dia sobre

COMPORTAMENTO OPERANTE
CONDICIONAMENTO OPERANTE
REFORÇO POSITIVO
REFORÇO NEGATIVO
MODELAGEM

Desde já se me conceder esses exemplos fico grato.

ASS: Marcelino dos Santos

Alessandro Vieira dos Reis disse...

Marcelino,

se vc procurar por esses termos no 'search' do blog irá achar posts com exemplos, certamente.

Até!

Anônimo disse...

Ola Alessandro Agradeço pela rápida atenção pelo ultimo comentário. Agora mais umas duvidas que necessito da sua ajuda.

INTERVALO FIXO
INTERVALO VARIÁVEL
RAZÃO FIXA
RAZÃO VARIÁVEL

Também com exemplos do dia a dia

Marcelino dos Santos

Desde já agradeço

Alessandro Vieira dos Reis disse...

procure os termos no 'search', um por um

p.e., se procurar por "razão fixa", vc encontra este exemplo:

http://olharbeheca.blogspot.com.br/2011/01/esquemas-concorrentes-escolhas.html

Fábio Oliver disse...

Prezado Alessando.

Seu blog é muito bom. Gostaria de retirar uma dúvida. Estou fazendo uma análise de uma propaganda da Coca-Cola, mas estou com certa dificuldade por não ter formação na área.

O vídeo é o seguinte:
http://www.youtube.com/watch?v=PPZ-pMIJNes

Há reforço negativo ao evocar uma situação negativa (tédio) para uma nova situação - em resposta à música?

Obrigado

Alessandro Vieira dos Reis disse...

Sim, ocorre reforçamento negativo (ou "subtrativo") porque ao tomar coca-cola imediatamente depois uma estimulação aversiva (o céu fechado) some.

Tenho um post que faz uma análise parecida de outro comercial: http://olharbeheca.blogspot.com.br/2012/08/analise-de-uma-propaganda-do-subway.html