01 maio 2012

As Interfaces de Anthony Stark - O Homem-de-Ferro



Você sabe que está obcecado por designer de interação quando vai no cinema, assiste "Os Vingadores" e sai de lá entusiasmado, muito entusiasmado...


Mas com as interfaces das engenhocas de Anthony Stark !

Neste post compartilharei e explicarei esse entusiasmo com vocês, a partir de uma breve análise dos principais tipos delas.
Lembremos que Stark é um super-gênio que tornou-se bilionário criando armas, porém mudou de ramo por fatores éticos e passou a atuar pesquisando energias limpas. 

Bonito, né? 

O que importa aqui é que todas as tecnologias da Stark Co. estão décadas a frente dos concorrentes. E não apenas isso: Stark demonstra um especial interesse por design também, seja no esmero estético que teve na criação de sua armadura de Homem-de-Ferro(p.e., escolhendo as cores e estilo a partir de seus carros favoritos), seja nas interfaces das diversas engenhocas ultra-tech que ele usa.

E é sobre a usabilidade desses brinquedinhos ultra-tech que falarei agora. Interfaces realmente dignas de nota! E se você acha que tudo isso é apenas ficção de filminho de herói fique esperto meu amigo: a ficção científica é uma janela que dá direto para o futuro.

Stark e sua  parede de informações"
Vejamos...

Nessa cena de "Homem de Ferro 2" vemos Stark fazendo uma pesquisa na tabela periódica. Nada mau um telão de material transparente, que responde ao toque,e mais parece uma parede de informação, hein? Eu quero um na minha sala.

O ambiente como um todo parece  girar em torno desse telão, o que gera um excelente efeito em reuniões e para apresentações. Uma interface assim estimula comportamentos como ficar em pé ao redor da tela, focando atenção no conteúdo interativo, ou fazer com duas pessoas ou dois grupos de pessoas interajam cara-a-cara enquanto mexem nos conteúdos, estando cada um de um lado da parede transparente (Isso pode gerar uma boa dinâmica de trabalho).

Note também que essa ideia já foi explorada em outro filme célebre pelas interfaces futuristas. Claro que estou me referindo ao eternamente citado por designers de interação, o "Minority Report" (2003).

E essas luvas, hein? Se ajudam mesmo
por que o Stark não usa ?
Aqui do lado vemos Tom Cruise manipulando dados audiovisuais numa dessas "paredes de cristal". Porém Cruise usa uma apetrecho que parece uma luva com emissores de sinais nas pontas dos dedos. Sua interatividade é mediada e condicionada por esse instrumento. Stark, por sua vez, dispensa a potencialmente incômoda luva: usa as mão nuas.

Daí surge uma interessante questão: como o computador de Stark sabe quais gestos eram comandos pra manipular os dados e quando são gestos irrelevantes? A luva do Tom Cruise parece ajudar nessa questão, pois o computador só aceita como comando determinados gestos de quem está usando-a.

Vamos especular... É possível que o computador de Stark aceite apenas os gestos dele, e ainda sobre a condição deles estarem sincronizados com a direção em que ele olha e/ou comandos vocais. Isso explicaria porque ele não precisa usar nada como aquela estranha  luva do Minority Report...

Prossigamos...

A interface aqui é um recurso que ajuda
 a caracterizar melhor o personagem
Stark, quando usa o traje-armadura do Homem-de-Ferro, não some em termos dramático-narrativos. Para aproveitar a expressão do ótimo ator (Robert Downey Jr) enquanto ele está de armadura o diretor do filme bolou um recurso visual muito bom: seu rosto aparece ao fundo, e em primeiro plano vemos a graphical  user interface(GUI) que ele vê enquanto opera a  armadura.


Com isso o Homem-de-Ferro se tornou o primeiro super-herói que incorporou, no cinema, uma GUI à sua identidade visual.


Hmmm... Pera aí... Talvez ele não tenha sido o primeiro...


Se você lembra de que filme de 1987
 é essa cena, você é demais !
Contudo, essa interface do visor do capacete do Homem-de-Ferro suscita questões de Ergonomia

Se o visor está a poucos centímetros de seus olhos, dentro do capacete, então como Stark consegue ver tanto detalhes da inteface sem ter que mexer a cabeça?

Questão parecida surgiu com o pessoal que disse que o Google Glasses é irreal, inviável tecnicamente.

Ok, vejamos outra interface...

Eu QUERO um desses !
Aqui vemos Stark manipulando um pseudo-objeto. Trata-se de uma holografia projetada a partir de uma base sobre a mesa. A base, através de sensores, registra movimentos de Stark e com isso faz a holografia interagir com suas mãos. Novamente vemos uma interface não apenas cinestésica mas também bastante tátil, e dessa vez não projetada em uma tela, mas no ar. (Chupa, "Minority Report"!).

Digo que é tátil porque o aparelho sensório-motor pode ser "enganado" com uma holografia como essa, gerando falsas percepções táteis. É possível que alguém interagindo com uma holografia dessas relate que elas têm peso, textura, densidade, tudo por causa de ilusões táteis gerada pela luz e som.

Essa interface holográfica é de "Homem de Ferro 1". Em "The Avengers" vemos uma versão ainda melhorada desse recurso. Numa cena no final, Stark e sua namorada, Pepper, projetam um prédio para isso usando holografias responsivas a partir de uma base flexível. Isto é, de um "papel eletrônico" que parecia um pergaminho e que foi desenrolado sobre uma mesa, a partir daí emitindo holografias.

Stark conversando
com um criado-robô
Outra interface, só que essa mais sutil, é a que Stark estabelece com Phil, uma inteligência artificial que funciona como um mordomo. Seja dentro da armadura, seja sentadão no escritório bebendo uisque, a qualquer momento o bilionário pode comandar: "Ei, Phil. Phil? Me liga com a Pepper".


As inteligências artificiais que servem a Stark são todas comandadas por comandos de voz. Nada de controle remoto, teclado, superfícies responsivas, holografias, etc. 

Além disso, elas também falam,  têm conversas, com o dono (Bem como Donald Norman prescreve ao falar de uma comunicação natural entre homem e máquina, em "O Design do Futuro"). 

Comunicação verbal direta assim é um meio mais que intuitivo de interface. Ou seria praticamente uma ausência de interface, de tão direta que é ?

Outro ponto... É claro que o Anthony Stark tem um celular, né? (Ou algo parecido com um).


E o mais high-tech possível. No filme "Homem-de-Ferro 1" temos uma palinha dessa interface mobile.


Transparente, finíssimo, com "botão" que parece um giroscópio (e responde ao polegar direito nessa foto). Um detalhe interessante: o visual na tela do dispositivo mobile parece passar por um filtro de imagem que as torna azuladas. Isso impede que seja confundidas com objetos reais que estejam atrás do cell (lembre-se que o aparelho é transparente).

E, para fechar, a interface mais impressionante de todas.

Se não bastasse Stark usar uma armadura toda interativa aos seus movimentos corporais (que para fazer-lhe voar demanda p.e. um grande controle postural e de coordenação motora); à sua voz e comandos com movimentos dos olhos, ele ainda tem um nível a mais de interação com a tecnologia: dentro de seu corpo, no peito, há um aparelho que o mantém vivo.


Uma máquina no peito mantém
nosso herói high-tech vivo.
Depois de um acidente estilhaços foram parar perto do coração do nosso herói ultra-tech. A única coisa que impede-os de lhe matar é aquela engenhoca no peito, (que também é uma fonte de energia). 

De certo ponto de vista é correto dizer que Stark é um deficiente físico que consegue ter uma vida normal, (aliás, consegue viver), porque interage 24 horas por dia com uma tecnologia integrada ao seu corpo. 

Alguns diriam que o Homem-de-Ferro é um transhumano. Outros diriam que ele é "uma pessoa com uma séria condição médica". Eu prefiro ver nele um homem que tornou a tecnologia, devidamente mediada por uma interface anatomico-fisiológica segura, uma fonte de vida.

Para os entusiastas do Design de Interação estudar o Homem-de-Ferro é mesmo um prato cheio. Perceberam que ele usa todo tipo de interface?

Roupa legal, cara!
- superfícies responsivas

- diálogo vocal com IAs

- mobile

- holografia responsiva

- interface cinestésica

- interface intracorporal

Eu diria que, hoje, é o super-herói que todo Designer de Interação mais deve ser fã, ou ao menos seguir de perto... ;-)

E pra fechar fique com um video mostrando como as interfaces dos filmes do Homem-de-Ferro foram feitas:




3 comentários:

Anônimo disse...

Colega, atualmente já possuimos equipamentos similares para uso doméstico, basta verificar o Kinect que é um acessório (diga-se de passagem, literalmente outro aparelho com processamento próprio)que permite interaçao com interface de movimento sem mediaçao, além de reconhecimento de voz. Sua aplicabilidade ainda esta sendo desenvolvida, mas provavelmente as novas versões virao com escaneamento de retina, reconhecimento de movimentos independentes de dedos e outras coisinhas. Em um show realizado este ano, foi recriado o cantor de Rap Tupak, morto há 15 anos por meio de holografica projetada-refletida, claro que ainda distante de holografia puramente projetada. Além disso, as telas de toque se tornaram lugar comum nos dias atuais, entretanto, concordo plenamente que o design é importantissimo, afinal, a beleza destas engenhocas é em muito responsavel por faze-las parecer amigaveis (no caso dos Icoisas da vida e da carinha de robo do Kinect) ou futuristas (no caso dos equipamentos de Tony). Abraços.

Alessandro Vieira dos Reis disse...

Isso mesmo, anonimo.

ja existe a tecnologia, em aplicações esparsas e especiais..

ainda não é uma realidade cotidiana de fácil acesso, e muito menos tem um design bem usável... ainda ;-)

Anônimo disse...

Irado, adoro o filme do homem de ferro, fiquei babando quando vi isso, no filme dos vingadores tem a parte que está ele e o Bruce Banner mexendo numa tela dessas um de cada lado, cada filme tem alguma coisa nova to loco pra ver o homem de ferro 3